terça-feira, 19 de julho de 2011

ADEUS, AMIGO CLEOMAR!

José Anselmo de Oliveira


Magistrado, professor e poeta. Membro eleito para a cadeira 21 da ASL.


Conheci o bravo guerreiro de Arembepe nos antigos bares da Coroa do Meio, fazendo da vida uma verdadeira poesia, lembrando sempre das canções que embalaram nossos sonhos de juventude e fé. Fé no ser humano e nas suas potencialidades, e principalmente no amor, da sedução ao amor fraterno.

Como uma comunidade quase hippie, nós e outros que privavam da amizade do “velho Cleo” perambulávamos por uma Aracaju ainda sem violência o que permitia que as noites de boemia podiam se estender até a beira mar sem preocupação alguma.

Aprendi com a sua irreverência que a vida é mesmo para os fortes, para os que não se abatem por nenhum obstáculo, os que, como ele, estão prontos para a luta, sem perder jamais a ternura.

Aprendi com a sua alegria a viver como dizia o poetinha Vinicius de Moraes “é melhor ser alegre que ser triste...” e a transformar cada momento desagradável em festa e alegria.

Aprendi com Cleomar que não importa a distância, importa mesmo é ter um coração grande para guardar todos os amigos, os que estão por perto e até aqueles que apenas ficam na lembrança.

Aprendi que na maioria das vezes num papo descontraído na mesa do bar é que construímos histórias e vidas que podemos contar para os outros, sem precisar do formalismo social ou acadêmico.

Deus estava precisando de um bom cronista, porisso Cleomar partiu, ou então porque assim se imortaliza na saudade que deixou em cada coração dos seus amigos.

Nem mesmo a iminência do desenlace fez o “velho Cleo” perder o humor e convocou a todos, não para chorar a sua viagem, mas para celebrar. Eu, como acredito que o contrário da “morte” é “nascimento”, comemoro o nascimento do amigo Cleomar em outra dimensão, noutra galáxia, quem sabe. Vai juntar-se a Ismar Barreto, Irmão, Raul Seixas, Noel Rosa, Dorival Caymmi e tantos outros que fazem parte da nossa trilha sonora.

Assim, na vida e na partida, Cleomar conseguiu congregar, aproximar pessoas em nome da liberdade, da alegria e do amor.

Adeus, amigo Cleomar. Faça uma boa viagem!

sábado, 5 de março de 2011

TAMBORIM NA AVENIDA

Sou um tamborim no meio da avenida
levando porrada o tempo todo
enquanto a multidão se diverte.
A minha sorte
é que vez por outra,
algum abençoado instrumentista
me deixa quase beijar as coxas da sambista.

domingo, 30 de janeiro de 2011

FANTASIA.

Sonhei que você me amava ferozmente,
Em verdade, como nunca me amou.
Acordei em sobressalto
Porque não lhe conheço
E sei que não me conhece.
Então, que veio fazer em meu sonho?
Tirar o meu sono?
Ora, vê logo se aparece
E tira de mim essa falsa impressão
De que você é apenas uma fantasia.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

CURA DE TODO MAL

Os cientistas descobriram a cura de todo o mal.
Basta que as pessoas amem mais,
riam mais,
transem mais,
convivam mais,
perdoem mais...

ah, e também
odeiem menos,
reclamem menos,
pentelhem menos,
enfim, sejam muito menos chatas!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Entre imputs e bits

Urge viver cada minuto intensamente
porque tudo é breve e pede urgência.
Especialmente no mundo do espaço cibernético.
São tantos imputs e tantos bits
a exigir de nós milhões de mbps.
Troco tudo isto por um fim de tarde
com um belo por do sol
e um belo vinho.
Ah, claro, você seria essencial.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

QUERENDO OUVIR


O silêncio é de ouro.
Mas o pensamento é eloquente,
fala pelos cotovelos,
espreita nas entrelinhas do olhar que fala e se cala.
Olhar verdejante a penetrar a alma,
sem palavras e com barreiras,
diz mais do que se pronunciasse
mistérios e histórias desconhecidas, 
pelo menos em parte.
Cala-me, enfim, com teu beijo quente.

sábado, 3 de abril de 2010

RITMO DE VIDA

Quem nunca sentiu um vazio apesar de andar cheio de coisas por fazer?
Quem nunca experimentou uma sensação de estranhamento num lugar tão conhecido?
Quem nunca ficou perdido quando todos acham que você já se achou?
Quem nunca sentiu ou viveu nada disso
não sabe o quanto podemos crescer nesses momentos de dúvidas e de questionamentos...
às vezes, para muitos, viver é apenas estacionar a vida no que pensamos ser um lugar seguro.
Prefiro surfar mares agitados, escalar montanhas, caminhar por trilhas desconhecidas...
assim, a vida se renova a cada dia.